Pular para o conteúdo

Uma trapaça anunciada 

08/07/2022

Picasso – GUERNICA - VÍRUS DA ARTE & CIA.

Guernica, de Picasso.

Marina Amaral, diretora executiva da Agência Pública, analisa, em sua newsletter semanal, o grave momento institucional do País, sob o jugo de um presidente inepto e com acentuados sintomas de desequilíbrio crescente.

A Comissão Especial da Câmara aprovou ontem a chamada PEC eleitoral, que destina 41 bilhões para melhorar o desempenho do presidente Bolsonaro na campanha pela reeleição. Caso os benefícios (concedidos sob falso pretexto em um contexto real de miséria) não surtam o efeito esperado nas urnas, resta o plano B: a rejeição prévia do resultado eleitoral.

Uma reunião do primeiro escalão do governo, convocada por Bolsonaro na terça passada, teve como foco o descrédito das urnas e do TSE, em fala do próprio presidente, reforçada pelo discurso de um convidado especial: o deputado Filipe Barros, relator da emenda constitucional que exige o comprovante do voto impresso e autor de outras façanhas em relação à desinformação eleitoral.

A PEC eleitoral – ou Kamikaze, dos bilhões, emergencial, os apelidos são muitos – foi aprovada rapidamente nesta quinta-feira, assim como aconteceu em uma votação quase unânime no Senado na semana passada. Para apressar o trâmite, o presidente da Câmara, Arthur Lira, driblou um pedido de vistas da oposição, que queria postergar a votação, utilizando-se de expedientes como a leitura do relatório a ser votado à meia-noite e uma sessão fake de 1 minuto às 6h30 da manhã na Câmara.

Entendo que não é fácil negar benefícios sociais em um país que passa fome. Mas concordo com José Serra, o único senador a votar contra a PEC, quando ele diz que “quem rasga a Constituição, em um dia, noutro rasga direitos”.

A rasteira na legislação eleitoral, assim como as falsas dúvidas sobre a integridade do processo eleitoral, podem ser mais perversas, atacando diretamente a democracia, como mostra o exemplo dos Estados Unidos. Envenenados por Trump, até hoje mais da metade dos republicanos acham que ele venceu Biden, ou seja, não mais acreditam nas eleições. A desinformação – veículo da trapaça – interrompeu a possibilidade do debate democrático.

No Brasil temos mais um ingrediente explosivo nessa equação: a adesão de boa parte da elite militar à estratégia fraudulenta de Bolsonaro.

Atentos ao risco golpista, seis deputados democratas dos Estados Unidos apresentaram uma emenda ao orçamento anual de defesa de seu país, condicionando a ajuda financeira às Forças Armadas brasileiras a uma investigação sobre a participação dos militares nos ataques ao sistema eleitoral brasileiro.

Entre os pontos que recomendam o governo americano investigar estão a interferência na contagem de votos, a manipulação para tentar reverter o resultado e a participação em campanhas de desinformação para questionar o sistema eleitoral.

Pelo som das tropas e dos trapaceiros, vamos mesmo precisar de apoio internacional além de uma ampla mobilização por aqui em defesa dos jornalistas e de combate à desinformação.

Ontem, um conjunto de mais de 90 organizações da sociedade civil lançou um documento cobrando das big techs medidas de enfrentamento à desinformação nas eleições.

As entidades – que atuam em diversos setores – também fizeram mais de 20 recomendações para a detecção e combate à desinformação, ao negacionismo ambiental e climático e discursos de ódio, além de trazer orientações específicas para coibir racismo contra pessoas negras e indígenas e violência dirigida contra mulheres e LGBTQIA +.

Além de organizações e redes como Abong, Coalizão Direitos na Rede, Coalizão Negra por Direitos, Observatório do Clima, Conectas, também a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) participa da iniciativa, que traz sugestões de medidas concretas e viáveis para as plataformas.

Os que se dizem democratas, como Google e Facebook, deveriam ouvi-los.

No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: