Pular para o conteúdo

Virada de Bolsonaro é quase impossível; leia análise.

02/09/2022

De Daniel Bramatti, no Estadão

A leitura das últimas pesquisas permite a seguinte conclusão: Jair Bolsonaro vencer a eleição presidencial é algo quase tão improvável quanto o coração de Dom Pedro I voltar a bater. É arriscado dizer isso a um mês das eleições? Em termos. Vamos aos números.

1) A imensa maioria dos eleitores já se definiu. Para a minoria que admite mudar o voto, o presidente não é a primeira opção.

2) Mais da metade dos brasileiros continua afirmando que não votaria em Bolsonaro de jeito nenhum, apesar da chuva de benesses da máquina pública e da leve melhora da economia.

3) As simulações de segundo turno indicam que, neste momento, ele tem um teto de 43% dos votos válidos.

Jair Bolsonaro durante visita a feira agropecuária em Esteio (RS); presidente é o segundo colocado nas pesquisas de intenção de voto Foto: Ricardo Rimoli/EFE

Jair Bolsonaro durante visita a feira agropecuária em Esteio (RS); presidente é o segundo colocado nas pesquisas de intenção de voto Foto: Ricardo Rimoli/EFE© Fornecido por Estadão

É verdade que pesquisas refletem o momento e não devem ser usadas para fazer previsões. Mas há algo no horizonte que poderia alterar de forma significativa o atual quadro de quase estabilidade dos candidatos?

Houve grande expectativa sobre os efeitos das entrevistas ao Jornal Nacional e do primeiro debate na televisão. Mas só Ciro Gomes Simone Tebet tiveram mudanças nos números, e pequenas.

E houve, claro, a grande aposta do bolsonarismo na tentativa de cooptar os mais pobres com o Auxílio Brasil temporário de R$ 600 – benefício que só faz sentido neste momento sob a lógica eleitoreira, já que, segundo o próprio governo, a economia está bombando e a pandemia ficou para trás.

O dinheiro já chegou a 20 milhões de famílias, um contingente gigantesco. Nas duas últimas semanas, porém, a taxa de intenção de voto em Bolsonaro apenas oscilou de 23% para 25% na faixa da população que ganha até dois salários mínimos, segundo o Datafolha. Nesse segmento, Luiz Inácio Lula da Silva segue o líder disparado, com 54% (tinha 55% no dia 18 de agosto).

Se estimarmos que há três eleitores em cada família, e que de fato houve o pequeno avanço detectado pelo Datafolha, o presidente virou o voto de apenas 3 de cada 100 pessoas potencialmente beneficiadas pelo Auxílio Brasil turbinado. Depois de passar duas décadas associando Bolsa Família a compra de votos, Bolsonaro deve estar perplexo com os efeitos pífios de sua cartada.

Então a eleição está decidida? Observem que, lá no alto, não escrevi que uma vitória de Bolsonaro é impossível, mas que é quase tão improvável quanto um milagre envolvendo o coração do ex-imperador.

Considerando que o atual presidente já defendeu em mais de uma ocasião a eliminação física de adversários, não é desprezível o risco de que o coração de um deles deixe de bater, por ação de algum extremista que interprete a mensagem como missão patriótica.

One Comment leave one →
  1. Saturnino do Sertão permalink
    05/09/2022 16:35

    se não houver fraudes, quero ver dia 03 de outubro o que dirão!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: