Pular para o conteúdo

O caso de Manaus na pandemia foi assassinato premeditado, chefiado por Bolsonaro e Pazuello

25/10/2022

Eduardo Pazuello foi ministro da Saúde durante a pandemia de covid-19 - Sergio Lima/AFP

A dentista Andrea Barbosa, ex-esposa de Eduardo Pazuello, relatou um pouco do que viu nos bastidores do Ministério da Saúde quando o companheiro estava à frente da pasta durante a gestão da pandemia de covid-19.

Segundo a mulher, o governo do candidato à reeleição Jair Bolsonaro (PL) usou o estado do Amazonas como uma espécie de laboratório humano para testar a imunidade de rebanho contra a doença — assim como o general, Andrea é natural do estado.

Por meio de postagem em seu perfil no Instagram, Andrea diz que “nunca” vai “perdoar esse governo e quem compactuou com ele”. Ela nega que sua “indignação” com a atual gestão tenha algum motivo pessoal.

Barbosa afirma que estava em Manaus durante a crise de oxigênio, em janeiro de 2021, e diz ter presenciado quando a capital do Amazonas “foi feita de laboratório para testar imunidade de rebanho (isso mesmo, aquela mesma que se testa em gados), quando a cloroquina, medicamento comprovadamente ineficaz era prescrita até para grávidas em estado febril pelo aplicativo TratCov”.

“Eu estava lá quando milhares de caixões eram enterrados em valas porque o cemitério já não tinha espaço e o presidente dizia que não era coveiro e, portanto, não tinha nada com isso. Eu vi gente que tinha muito dinheiro morrer sem oxigênio na pista, ao entrar na UTI aérea. Eu vi gente que não tinha o que comer morrer pelo mesmo motivo e não ter recursos para enterrar seu ente querido”, escreveu, ressaltando que durante boa parte da pandemia o governo “negava a ciência e dizia não à vacina”.

Soube da amante no meu aniversário”, conta ex de Eduardo Pazuello - ClickPB

“Ele falava que ia mudar a bula da cloroquina”, diz a ex-esposa.

Conforme a odontóloga, enquanto o país vivenciava o caos com milhares de mortes diárias provocadas pela covid, “nos bastidores a equipe do ministério que distribuía cloroquina esbaldava-se de uísques caros e taifeiros do Exército servindo a alta burguesia da cidade sem oxigênio”.

A ex-esposa de Pazuello disse que “surtou” porque era coisa “demais para compactuar”. Segundo a dentista, Manaus, que é uma cidade de “lonjuras e dificuldades logísticas foi o instrumento certeiro para as maiores atrocidades”, coisa que não poderia ser feita com cidades nas regiões Sul e Sudeste, por exemplo.

Ao UOL, o Ministério da Saúde disse que “desde o início da pandemia atuou de forma célere e transparente para agilizar as medidas de prevenção, proteção e cuidado da população brasileira”. “O Ministério adquiriu e distribuiu mais de 518 milhões de vacinas para a população”, acrescentou.

No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: