Pular para o conteúdo

Autoridades discutem reforço da segurança no Distrito Federal

16/01/2023

Veja imagens das invasões golpistas de 8 de janeiro em Brasília

Objetivo é garantir tranquilidade na abertura do ano legislativo

A segurança do Distrito Federal será reforçada no dia 1º de fevereiro para evitar que se repitam, no dia em que os poderes Legislativo e Judiciário reiniciam os trabalhos, cenas como as registradas no último dia 8, quando vândalos e golpistas invadiram e destruíram partes do Palácio do Planalto, do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal (STF).

O anúncio foi feito hoje (16) pelo presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), a governadora em exercício do Distrito Federal, Celina Leão, e o interventor federal na segurança da capital, Ricardo Cappelli.

“Nossa preocupação, agora, é com a posse de 513 deputados e 81 senadores”, disse Lira, ao final da visita que ele, Celina e Cappelli fizeram, nesta manhã, ao prédio da Câmara dos Deputados, onde funciona o Batalhão da Polícia Militar (PM) responsável pelo patrulhamento ostensivo na área da Praça dos Três Poderes.

“Entendo que todo o planejamento está sendo bem cuidado para não termos nenhuma surpresa e, com certeza, não haverá”, acrescentou Lira, dando como certo o reforço da segurança. A seu lado, Cappelli assentia com a cabeça e a governadora em exercício acrescentava: “com certeza”.

“[No Congresso Nacional] estaremos tratando da posse dos parlamentares, da eleição para as mesas do Congresso Nacional… Temos que ter clareza de que muitas pessoas vão se deslocar de todos os lugares do Brasil para Brasília e de que é importante que estejamos atentos, com um plano de segurança preventivo bastante rígido”, enfatizou Lira, argumentando que este será um dia “emblemático”, principalmente após as cenas de vandalismo e os ataques antidemocráticos às sedes dos três poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário).

A governadora em exercício, Celina Leão, informou que as autoridades federais e distritais discutem outras medidas além do reforço imediato da segurança pública. Na última sexta-feira (13), o ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, disse que o governo federal estuda mudanças em leis relativas à segurança pública e que algumas delas visam a “reforçar a autoridade do governo federal” junto ao comando da segurança pública no Distrito Federal.

“Hoje, viemos conhecer as instalações deste batalhão da PM para vermos a possibilidade de dobrar esse efetivo de forma imediata”, disse Celina. Ela acrescentou que o governo do Distrito Federal estuda ampliar o efetivo do batalhão dos atuais 248 policiais militares para pelo menos 500. “Nossa ideia inicial é dar as condições necessárias e melhorar esta estrutura.”

Exterior avalia que tentativa de golpe do dia 8 teve apoio de militares

Os atos terroristas em Brasília podem ter consequências diplomáticas na relação do Brasil com o exterior daqui para frente. A avaliação dos países de fora é que a invasão à sede dos Três Poderes se trata de uma tentativa de golpe de Estado, com possibilidade de auxílio das Forças Armadas. A repercussão, inclusive, levou o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, a declarar apoio publicamente a Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

De acordo com informações de Renato Souza, jornalista de política do Portal R7, o serviço de inteligência estadunidense foi quem identificou que os atos terroristas em Brasília se tratavam de um golpe de Estado, ligando o sinal de alerta nos países do exterior. A reação internacional aos ataques se deu justamente após os alertas de intervenção militar no Brasil.

O risco do envolvimento das Forças Armadas nas manifestações bolsonaristas também chamou a atenção de Lula, que decretou intervenção federal no Distrito Federal, sendo que havia a possibilidade de ativar a Garantia da Lei e Ordem (GLO). O Comando do Exército teria assegurado o cumprimento da GLO, mas o presidente da República declinou.

Na avaliação interna e externa, o Brasil de fato sofreu uma tentativa de golpe de Estado. O risco ainda não está extinto, pois militares das Forças Armadas diretamente ligados com o planejamento e omissão continuam em seus cargos.

Na última quinta-feira (12), em café da manhã com jornalistas, Lula afirmou estar convencido de que a porta do Palácio do Planalto foi “aberta por alguém de dentro”. Segundo o presidente, houveram pessoas coniventes com as invasões e facilitaram o acesso dos manifestantes nas sedes dos Três Poderes.

No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: